1.4.06

Mechanic Lullabies

No natal eu comprei pra Helô um caixinha de música na Imaginarium. Não uma daquelas com bailarinas num espelho, na verdade um negócio um pouco mais tosco e, por isso mesmo, mais divertido. É um aparelinho nu, sem nenhuma cixa em volta, só o mecanismo responsável pela música, e uns furos pra colocar parafusos e afixar a caixinha (acionada manualmente) em qualquer superfície - de preferência, de madeira. Aquele engenho ali, com uma manivelinha do lado, que toca "You Are My Sunshine", esconde sem querer uns segredos.

A notação musical é uma "invenção" grega, que permite a reprodução de molodia, harmonia e ritmo dentro de uma convenção simbólica, uma gramática própria e quase verbal. A idéia principal da partitura é possibilitar, num momento em que a tecnologia não permite a gravação direta dos sons, a reprodução mais fiel possível de uma determinada composição - numa sinfonia, cada instrumento da orquestra tem sua própria partitura.

A caixinha de música é um "instrumento" moderno, e começou a ser fabricada, em escala, na Suíça (famosa pelos seus relógios) no início do século XIX. Tal caixa é formada por duas peças principais: um cilindro de metal com marcações em relevo e uma peça em metal com diversas palhetas que formam uma escala temperada. Quando girado, as marcas do cilindro movimentam as unhas na ponta de cada palheta, produzindo as nostas. As marcas estão dispostas na sequência melódica desejada, e com um espaçamento que permite que a melodia seja reproduzida perfeitamente, caso a caixinha seja tocada numa velocidade constante.

As marcas no cilindro, portanto, não são apenas notações: são um dos primeiros códigos programados existentes. A função das marcas não é a de comunicar a alguém um certo código, mas sim, servir como base de dados, apenas legível pela "máquina", para a execução de uma rotina. Não a toa, as primeiras caixinhas de música utilizavam discos de metal no lugar de cilindros - o caminho inverso entre o fonógrafo e o gramafone. Aliás, a caixinha pouco tem a ver com o processo de gravação. O sistema primitivo de armazenamento musical por gravação, que persistiu até os LPs, é totalmente analógico - consiste em imprimir ranhuras em espiral num disco, que mais tarde vibrariam a ponta de uma agulha amplificada e, voilá - está criada a música.

As caixinhas, por sua vez, eram primitivamente digitais. Continham um código sequenciado que só poderia ser "lido" pelo sistema certo: o conjunto de palhetas temperadas para aquela música. Existia uma disposição específica para tais palhetas, que costumava variar de caixinha para caixinha. Trocar os cilindros de caixinhas, invertê-los, era descobrir novas melodias a partir de uma matriz não programada para aquilo. Esses cubos, paralelepípedos e outras formas geométricas são os avós dos instrumentos eletrônicos - e aqueles moleques curiosos que os desmontavam para desvendar o mistério daquela música mecânica, foram os primeiros experimentalistas, os ancestrais do Kraftwerk.

3 comentários:

Giselle disse...

Gostaria de saber o fabricante dessas caixinhas de música da Imaginarium, ou se conhece algum fabricante para que eu efetue diretamente a compra de várias peças como esta.

PS: responder no meu e-mail por favor.

Obrigada,

Giselle Lopes
oliverggi@gmail.com

Anônimo disse...

Como a Giselle, gostaria de saber onde comprar esse tipo de mecanismos musicais de que falou. Gostaria que respondesse para o meu e-mai lcom a maior urgencia.
migasll@hotmail.com
Obrigado.

Anônimo disse...

Olá eu também gostaria muito de saber onde comprar esses mecanismos musicais para caixinhas.
Muito obrigada
Michelly